30/01/2008

A Ditadura do Pão

Postado por Loma às 30.1.08


'Por Cléston Rossini

É sagrado e consta na bíblia que o pão e o vinho representam o sangue e o corpo de cristo. Não só para povos cristãos, muçulmanos e judeus também possuem uma longa relação histórica com o pão. Mas na Noruega algo passou de estranho. O vinho não é sagrado, é de certa maneira amaldiçoado, vendido sob rigoroso controle pelo estado e bombardeado pela imprensa e governo como algo ruim para a saude pública. Logo, o pão assumiu na Noruega o duplo papel de corpo e sangue. Talvez o único país cristão do mundo com essas características.

Para os brasileiros que vivem na Noruega não é novidade: vivemos sob a ditadura do pão! Somos diariamente bombardeados de pão. Pão no café da manhã, pão no lanche, pão no almoço e pão na janta. Quando vim para cá imaginava encontrar maravilhosos mercados públicos cheio de peixes e crustáceos frescos. Realmente imaginava um país com hábitos alimentares exóticos, mas variado dada a riqueza marinha do país. Errei!

E não adianta argumentar isso com nossos amigos noruegueses. Alguns ficam até ofendidos e não admitem que norueguês só come pão. Alguns até afirmam que a Noruega possui a culinária mais sofisticada do mundo, mas na boca do povo o que passa é o pão nosso de cada dia. De todas as cores e sabores, mas sempre pão! Lí um tempo atrás em um jornal norueguês que 80% dos noruegueses não colocam um garfo de comida quente na boca durante os dias da semana. Já escutei de uma família norueguesa que foi transferida para o Rio de Janeiro por 3 anos que o maior problema que eles tiveram foi no supermercado. Simplesmente não sabiam o que comprar, haviam opções demais e todas voltadas para pratos quentes e/ou que exigiam longo preparo. Confesso que fiquei chocado e até hoje não entendo isso. Por outro lado, fico chocado quando em um país tão rico, o governo não tem dinheiro para oferecer um refeição balanceada para as crianças na escola - e muitas crianças ficam até 6 horas tendo tido apenas dois pedaços de pão como alimento.

Tenho várias teorias sobre isso. A Noruega não tem a herança escravocrata do Brasil, onde diversas empregadas transformaram nossa culinária diária em verdadeiros banquetes de natal. A Noruega era pobre até pouco e nunca conseguiu desenvolver a sofisticação culinária de outros países europeus. A Noruega é um país polar e tem natureza agrícola limitada. A Noruega é protestante (e de certa forma puritana) e socialista, sempre viu no alimento uma forma de satisfazer necessidades fisiológicas. A Noruega é um país isolado e não foi influenciada por outros hábitos estrangeiros (principalmente comer fora). Muitos podem argumentar que a Noruega é uma país moderno, além do seu tempo, e que as pessoas não tem tempo para gastar com o preparo de uma boa refeição. Contudo, rodando o mundo um pouco percebe-se que em nenhum outro país se possui um hábito alimentar tão limitado. Não precisamos ir longe, na vizinha Suécia se almoça diariamente refeições quentes das mais variadas.

Enfim, eu acho que é um pouco de cada e o assunto pode até ser tese de mestrado sociológico. Para a maioria dos estrangeiros aqui radicados é um hábito duro se absorver. A imigração e a riqueza estão transformando a Noruega, mas dúvido que os noruegueses irão abrir mão desse hábito simples e prático. Mas com certeza não levaremos para nosso país esse hábito!

– Cléston Rossini é articulista, político, escritor e poeta radicado há 12 anos em Mo i Rana'
Fonte: http://www.pretonobranco.no/

1 comentários:

necros_sorcen on 30 de janeiro de 2008 20:20 disse...

uhauhauhau como meu mozinhu sabe comer so pão pra mim num seria tao ruim assim..... + vc num prefere 1 lasanha na Itália zinhu???? (sim é 1 convite)

Bjõs!!!

 

Lomadventures... Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos